O dono de um terreno em Uberaba/MG foi condenado a pagar mais de R$ 65 mil a uma mulher com quem havia feito negócio pelo WhatsApp, devido ao não cumprimento do acordo. Segundo o juiz de Direito Lúcio Eduardo de Brito, da 1ª vara Cível de Uberaba, a lei oferece garantias mesmo para negócios realizados desta forma.

A transação, no caso, foi realizada por conversa via aplicativo. A mulher alegou que teria enviado uma imagem do comprovante de depósito bancário no valor de R$ 50 mil, acordado pelo terreno, mas que apesar do pagamento a escritura não foi lavrada. Com isso, ingressou na Justiça.

Na sentença, o magistrado faz a ressalva de que, apesar de ser inovadora e válida, a forma utilizada para o fechamento do negócio, não é recomendável. Após reconhecer como suficientes as provas apresentadas, a fim de garantir as tratativas entre as partes e o fechamento do negócio, o julgador teve como válida a negociação, pois houve a proposta e a aceitação.

O julgador, entretanto, não acolheu o pedido de danos morais. “No caso em análise, não há prova de consequências outras além do aborrecimento atípico de um descumprimento contratual.” O valor total inclui correção monetária, mais juros de 1% ao mês.

Disponível em: <http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI223415,51045-Dono+de+terreno+devera+devolver+a+compradora+valor+de+transacao+feita>. Acesso em: 14 jul. 2015.

×